Quem sou eu

Minha foto
Jornal de Saude jornal informativo a servico da sociedade em geral

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Já ouviu falar de Pseudoestrabismo?


 
  

São Paulo, 5 de junho de 2017 – O pseudoestrabismo é uma condição em que os olhos aparentam estar desalinhados, mas não estão. Quando há realmente o desalinhamento visual é chamado de estrabismo. O pseudoestrabismo na infância é causado pela aparência facial da criança e tende a melhorar com a idade.

De acordo com Dra. Marcela Barreira, Oftalmologista Pediátrica e especialista em Estrabismo, o pseudoestrabismo na infância pode acontecer devido à aparência facial da criança e tem relação com a prega nasal e com as dobras de pele das pálpebras, que acabam cobrindo a esclera (parte branca do olho) na área mais próxima ao nariz, o que dá a sensação de desvio. “Essa condição é chamada de epicanto. Os pais podem ter essa sensação de desalinhamento, especialmente quando a criança olha para os lados”, explica a médica.

Até os quatro meses de idade é normal que os bebês desviem os olhos, já que a visão está em desenvolvimento e até esse período eles não possuem a capacidade de focalizar objetos e pessoas. Porém, a partir dos cinco meses é esperado que os olhos comecem a desenvolver essa capacidade e o desvio desapareça. Quando isso não acontece, o ideal é sempre procurar o oftalmopediatra.

“Precisamos ficar atentos ao desalinhamento visual. O falso estrabismo tende a melhorar com a idade. Mas, o estrabismo não! É preciso realizar um acompanhamento periódico da criança com estrabismo, que em muitos casos pode precisar de cirurgia para corrigir o desalinhamento dos olhos. Esse acompanhamento é fundamental para assegurar um bom desenvolvimento da visão”, comenta Dra. Marcela.

A médica faz um alerta importante: “Mesmo sendo normal o desalinhamento visual até os quatro meses e com condições que simulam o estrabismo, toda vez que os pais desconfiarem que possa ter alguma coisa errada é sempre melhor levar no oftalmopediatra capacitado para checar do que deixar passar algumas condições que podem ser tratadas de forma precoce”.
 
Leia e sempre que possível deixe seu comentário. Obrigado Marcelo Editor e jornalista - MTb 16.539 SP/SP
Postar um comentário

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Total de visualizações de página

Jornal de Saúde informa